Introdução

A linhas de tendência são traçadas a partir da identificação da tendência em que um ativo se encontra.

Existem três tipos de tendência para os papéis:

  1. Tendência de Alta;
  2. Tendência de Baixa;
  3. Tendência Lateral;

Para cada tendência, é possível traçar linhas de tendência, as quais os papéis respeitam enquanto a tendência não mudar. O grafista ou analista técnico, opera a favor da tendência (A TENDÊNCIA É SUA AMIGA!), especialmente dentro dos canais, comprando(CALL) nas bordas inferiores e vendendo(PUT) nas bordas superiores, para obter os melhores resultados.

Tendência de Alta

A tendência de alta em uma ação é definida quando, em seu gráfico, pode-se detectar fundos ascendentes. Isto significa que o ativo em questão está formando fundos em patamares cada vez mais elevados, o que dá continuidade à tendência de alta.

Tendência de Baixa

É possível determinar a tendência de baixa em um ativo, quando seu gráfico apresenta topos descendentes. Dessa forma, notam-se topos cada vez mais baixos.


Tendência Lateral

Um ativo encontra-se em tendência lateral quando segue formando topos e fundos nos mesmos patamares anteriores, respectivamente. Essa formação também é conhecida como retângulo.

LATERAL

Linha de Tendência de Alta

A linha de tendência de alta (ou lta) é traçada de forma a tangenciar por baixo os candlesticks de um papel no gráfico. Assim, são necessários ao menos dois candlesticks para se traçar a lta. Quanto mais candlesticks forem tocados ao se desenhar a lta, mais força ela terá.

A maneira mais conservadora, é traçar a linha tocando apenas os pontos mínimos dos candlesticks. Isto porque, ao se identificar uma tendência de alta para uma ação, e se traçar uma lta no gráfico, uma boa estratégia é comprar o mais próximo possível da lta, aumentando a relação risco x recompensa. Em alguns casos, a disputa por comprar/vender o papel, pode fazer com que os preços não cheguem a tocar a lta traçada. Em outros, pode fazer com que a lta seja levemente atravessada.

Outra maneira, que funciona muito bem em muitas situações, é traçar a lta tangenciando não os pontos mínimos dos períodos tomados, mas o que for mais baixo entre o fechamento e a abertura do candlestick. Ou ainda, certas linhas ficam “melhor adaptadas” ao movimento do papel, quando se busca uma combinação das duas maneiras, de modo com que a lta seja tocada pelo maior número de vezes pelos candlesticks de preço, obviamente sem ser atravessada por estes.

LTA

Linha de Tendência de Baixa

Analogamente à lta, a linha de tendência de baixa (ltb) é desenhada tangenciando os topos dos candlesticks do gráfico. Da mesma forma, quanto mais candlesticks forem tocados pela ltb, maior força terá esta sobre o papel em questão.

A forma mais defensiva de se traçar a ltb, é desenhar a linha tocando as máximas dos candlesticks.

Assim como nas lta, em muitos casos, a ltb fica melhor traçada se ao invés de se utilizar as máximas de cada candlesticks, sejam utilizados o que for maior entre abertura e fechamento de cada candlesticks.

LTB

Interrupção de Tendência

A interrupção de uma tendência se dá quando uma linha de tendência passa a não ser mais respeitada pelos candlesticks de preços. O primeiro sinal é quando há um fechamento além da linha de tendência. Normalmente, a confirmação se dá quando o próximo candlestick, então, fica completamente fora do canal.

Há casos em que podem haver falsos rompimentos, nos quais mesmo após sair do canal, o papel retorna rapidamente e segue seu caminho anterior.

O fato de uma tendência de alta ter sido interrompida, não significa obrigatoriamente que está se iniciando uma tendência de baixa, e vice-versa. Normalmente há uma tendência lateral entre elas.

Canal de Alta

Os canais de alta são traçados após a identificação da tendência do papel. Após traçar a lta que toca os pontos inferiores dos candlesticks, projeta-se uma outra linha paralela (ou quase paralela) à lta, de forma que esta seja tangente aos topos dos candlesticks, envolvendo os candlesticks de preço em uma faixa de variação, ou canal. Os preços variam como ondas nestes canais, e é possível “surfar” estas ondas comprando(CALL) na parte inferior do canal e vendendo(PUT) na parte superior.

CANAL ASCENDENTE

Canal de Baixa

O Canal de baixa é o análogo ao canal de alta. Numa tendência de baixa, ele é obtido traçando-se uma linha tangente às mínimas dos candlesticks, paralela à ltb. Nesta caso, como a tendência é de baixa, deve-se operar vendendo(PUT) nos topos próximos a ltb e comprando(CALL) nos fundos próximos à linha paralela.

CANAL DESCENDENTE
Canal Lateral

No canal lateral, observamos os preços de um ativo subindo e descendo até determinados níveis que se mantém relativamente inalterados. Podemos aproveitar o retorno dos preços dentro de um canal, em seu movimento de sobe e desce para operar compra e venda, ou Call e Put.

CANAL LATERAL
Conclusão

Como podemos verificar, os canais nos indicam importantes pontos de reversão. Com isso, podemos efetuar boas compras e vendas de uma ação, justamente tendo em vista a mudança nos preços.

Operar dentro dos canais conforme a tendência de um ativo “surfando” em suas ondas pode garantir melhores resultados do que somente comprar e guardar o ativo para o longo prazo. Obviamente essa estratégia requer mais acompanhamento do ativo, mas isso não deve ser um problema, e sim uma grande oportunidade.

créd. parcial:d.vieira.

SUPORTE E RESISTÊNCIA.

HOME